Quarta-feira, Junho 29, 2022
Quarta-feira, Junho 29, 2022

Fotografias de jornalista na guerra partilhadas por Zelensky

Data:

Partilhar artigo:

Duas fotografias do jornalista nazareno Rui Caria, que esteve 18 dias na guerra da Ucrânia, em março e abril, e que regressou àquele País na passada quarta-feira, foram publicadas pelo presidente Volodymyr Zelensky no Instagram.
 

Duas fotografias do jornalista nazareno Rui Caria, que esteve 18 dias na guerra da Ucrânia, em março e abril, e que regressou àquele País na passada quarta-feira, foram publicadas pelo presidente Volodymyr Zelensky no Instagram.

As fotografias do repórter acompanham imagens de outros jornalistas e um texto no qual o líder da Ucrânia refere que se defendem “contra o desejo da tirania de destruir tudo o que a liberdade dá às pessoas e aos Estados. E tal luta – pela liberdade e contra a tirania – é bastante compreensível para qualquer sociedade em qualquer canto do nosso planeta”.

É a segunda vez que o repórter da SIC se desloca àquele país que foi invadido pela Rússia há quase 80 dias. “Não consigo pensar em nada agora. Andamos por aqui a correr de um lado para o outro”, disse o jornalista ao REGIÃO DE CISTER, justificando a indisponibilidade para prestar declarações sobre a situação que está a testemunhar na Ucrânia. 

Num texto de reflexão sobre os 30 anos de carreira profissional, o nazareno desabafa: “A guerra ensinou-me os outros vários lados desta profissão. E, apesar da experiência que me foi dada por lá, em termos jornalísticos, não esquecerei a experiência pessoal destes dias de conflito. A guerra é muitas coisas, vê-se destruição e gente morta no caminho. É o caos criado pelo homem. Já vi muito disso ‘noutras guerras’” e com outras armas, mas foi na imagem de um pequeno gato, que há dias correu por mim a arder, que senti que a guerra é completamente anacrónica e irracional e por isso indizível”.

Depois da primeira incursão que fez à Ucrânia,  e em entrevista concedida à SIC Notícias, Rui Caria descreveu a “guerra surreal” que encontrou naquele país de Leste. Para desenvolver o seu trabalho, o nazareno apontou como primeira dificuldade a barreira linguística. “As pessoas agarram-nos, mas não percebemos o que dizem. Só entendemos pela linguagem corporal que nos estão a pedir ajuda. É complicado porque não podemos dar-lhes nada”, explicou o jornalista, que tem publicado diversas imagens do “ambiente de completa destruição”.

O fotojornalista não escondeu a dificuldade em descrever o que viu, que classifica de “indizível”. “Não há forma de passar o cheiro, os sons, o tremer do chão ou a deslocação de ar quando há ofensivas”, sublinhou o nazareno, que não escondeu o “sentimento de impotência e de revolta”.

Apesar de “eticamente não haver limites impostos por ninguém”, Rui Caria confessou o cuidado que tem em não publicar imagens chocantes de corpos estendidos na estrada. “Poderia mostrar tudo, mas decidi não o fazer”, disse o jornalista, desabafando a incapacidade em “ser isento ao sofrimento alheio”.

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

A leste, algo de novo: o despertar dos impérios

Gostaria de estar mais otimista. Porém, os últimos desenvolvimentos à volta da  Guerra na Ucrânia não me permitem...

Hóquei em patins: Biblioteca conquista torneio de encerramento em Tomar

A equipa de sub-15 da Biblioteca conquistou o torneio de encerramento depois de vencer o Sp. Marinhense (10-4),...

Casal de americanos escolheu Alcobaça para ajudar emigrantes

”Portugal the Place” é o nome da empresa de consultoria gerida por um casal de americanos em... Alcobaça. Colleen...

Concurso Mundial de Bruxelas distingue quatro vinhos de Alcobaça

Os vinhos Montecapucho Arinto 2017, da Quinta dos Capuchos, e Mula Velha Rose 2021, da Parras Wines, foram...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!