Domingo, Setembro 25, 2022
Domingo, Setembro 25, 2022

Venda de património municipal na Nazaré divide maioria e oposição

Data:

Partilhar artigo:

O número 11 da Rua do Horizonte, no Sítio, propriedade municipal, vai ser vendido em hasta pública e foi avaliado em cerca de 200 mil euros. A decisão foi tomada na passada segunda-feira, em reunião do executivo, com os votos favoráveis da maioria socialista e os protestos de PSD e CDU.

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

“É com tristeza que assistimos à alienação do património. É o segundo imóvel em pouco tempo”, lamentou o vereador social-democrata Paulo Reis, que criticou a venda “ao desbarato”. O vereador do PSD pediu uma listagem de todos os imóveis vendidos e quantias envolvidas desde 2013.

Para o vereador da CDU em substituição, “a alienação do património empobrece o município, que carece de estruturas e espaços públicos”. “Esta alienação de património transforma-se rapidamente em especulação imobiliária”, considerou António Caria dos Santos.

A propriedade, junto ao Miradouro do Suberco, é de piso térreo, tem uma área total de 174,5 metros quadrados, está descrita para serviços mas pode ser alterada para comércio ou habitação. Não será possível aumentar o número de pisos, mas a cobertura poderá ser utilizada como esplanada. O local situa-se em faixa de salvaguarda no Plano Diretor Municipal da Nazaré, pelo que não são permitidas ampliações. São apenas admitidas obras de alteração desde que não se traduzam na criação de caves, novas frações e que, no caso de empreendimentos turísticos, não originem um aumento da capacidade de alojamento. O imóvel tem atualmente quatro divisões.

“É um armazém que não é utilizado há muito como armazém, está a degradar-se e não tem utilidade pública”, justificou o presidente da Câmara, que viu a proposta ser aprovada com os votos contra dos dois vereadores do PSD e a abstenção do eleito pela CDU. A venda do imóvel terá ainda de receber luz verde da Assembleia Municipal.

Walter Chicharro fala em “património não essencial” e numa “venda que dará valores relevantes para a abater a dívida”.

Em julho de 2019, o imóvel, que tem mais de 70 anos, foi a reunião de Câmara, depois de uma análise jurídica ter concluído que se encontrava omisso tanto nas Finanças como na Conservatória do Registo Predial. Também não constava nos arquivos municipais.

À época, enquanto era aguardado o número definitivo da inscrição matricial, o executivo deliberou, por unanimidade, adquirir a propriedade por usucapião. Na ocasião da escritura de justificação notarial, três testemunhas atestaram a legitimidade da posse municipal da propriedade “há mais de 20 anos”, como se lê na documentação referente ao anterior mandato autárquico.

Na hasta pública podem apresentar proposta quaisquer pessoas singulares ou coletivas. O valor base de licitação é de 201.320 euros e as ofertas de licitação serão aceites em lanços mínimos de mil euros a partir do valor da proposta mais elevada.

 

 

 

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Abertos centros de vacinação à covid-19 e gripe em Alcobaça, Nazaré e Porto de Mós

Já estão a funcionar os centros de vacinação à covid-19 e à gripe sazonal nos concelhos de Alcobaça,...

Na Drogaria Ribeiro, o cliente está sempre em primeiro lugar

O facto de o pai ser pintor e de, desde cedo, apreciar essa arte, levou António Ribeiro, alguns...

“Passeio Sénior 2022” levou centena de idosos à Feira de São Mateus

A iniciativa “Passeio Sénior 2022”, promovida pela União das Freguesias de Alcobaça e Vestiaria (UFAV), levou, este dia...

OesteCim abre concurso para contratação de oito novos bombeiros sapadores

A Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim), da qual fazem parte os municípios de Alcobaça e da Nazaré, abriu...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!