Quarta-feira, Outubro 5, 2022
Quarta-feira, Outubro 5, 2022

Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros vai “ganhar” circuito de árvores milenares

Data:

Partilhar artigo:

O Município de Porto de Mós quer criar um circuito de árvores milenares, que contribua para um desenvolvimento sustentável, no âmbito de um protocolo de cooperação entre a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Associação Vertigem. A proposta foi aprovada por unanimidade, na última reunião do executivo municipal, que decorreu na passada quinta-feira, em São Bento.

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

O projeto consiste em definir um conjunto de atividades ligadas a este setor que passam, numa primeira fase, pela avaliação da idade das árvores do concelho e pela identificação das árvores autóctones. “Queremos estendê-lo a todo o território do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros”, avançou o presidente da Câmara de Porto de Mós. “O objetivo consiste em criar o bilhete de identidade da nossa floresta autóctone que é muito valorosa e muitas vezes reparamos pouco nela”, sublinhou Jorge Vala.

Com foco no carvalho e no medronho, o projeto será também estendido à oliveira, pois estima-se que seja a árvore mais antiga do território. “Isso dava-nos uma perspetiva interessante que era podermos também posicionar o azeite, através da criação de um roteiro, uma vez que já aderimos à Associação de Produtores de Azeite e temos vindo a promover o azeite nesta perspetiva”, destaca o vice-presidente da Câmara de Porto de Mós. Eduardo Amaral adianta que este projeto poderá ser um aliado à “prevenção dos incêndios”, e que, ao mesmo tempo, poderá servir para “fazer a recriação da floresta”.

Entre as ações a realizar no âmbito deste protocolo constam a realização de estudos e projetos de investigação, com base em projetos de financiamento, e também a organização de seminários, conferências, colóquios, aulas abertas e ações de sensibilização que envolvam a população e a comunidade escolar do concelho.

“É importante esta ligação ao conhecimento científico que são projetos internacionais que a Universidade tem vindo a desenvolver e aproveitar o facto de o nosso território ainda ter manchas que podem servir de referência e descobrir a identificação”, frisa Eduardo Amaral. O protocolo vai ser gerido por uma comissão coordenadora que será constituída por um representante de cada uma das instituições envolvidas.

Segundo consta na sua proposta, a UTAD tem vindo a desenvolver um trabalho relacionado com “as quercíneas e a silvicultura próxima da natureza”, enquanto que a Associação Vertigem, sediada em Portela do Vale de Espinho, no Arrimal, tem desenvolvido um projeto que tem como principal missão a “promoção da floresta autóctone na região do Parque das Serras de Aire e Candeeiros”.

 

 

 

 

 

 

AD Footer

Artigos Relacionados

Livro enaltece maior produtora de garrafas do País há 80 anos

Mais do que um livro sobre uma fábrica de garrafas, a obra do historiador Tiago Inácio, apresentada no...

Rui Morais na administração do Teatro Nacional de São Carlos

Há um alcobacense na nova administração do Organismo de Produção Artística (Opart), que gere o Teatro Nacional de...

Amor de mãe replicado num café com mais de meio século

Estamos no Casal da Ponte. O Café da Anita é um referência na localidade da freguesia de Alfeizerão....

Enduro: David Guerra festeja conquista da Taça de Portugal

David Guerra (RÓÓDINHAS/Master Vantagem) venceu, este dia 24, a Taça de Portugal de enduro, no escalão M45, depois...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!