Sábado, Junho 3, 2023
Sábado, Junho 3, 2023

Casa com história: Família Isaac mantém loja de ferragens aberta há 98 anos

Data:

Partilhar artigo:

A balança utilizada para pesar mercadoria é a mesma que o avô de Norberto Isaac usou pela primeira vez há quase 100 anos quando abriu a loja de ferragens que a família explora, desde então, na antiga Calçada do Sítio.

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

A viagem no tempo faz-se também graças às gavetas originais e toda a memorabília, que inclui a primeira máquina de duplicar chaves a chegar à Nazaré, “que tem, pelo menos, 60 anos”, conta o comerciante, de 76 anos.

Norberto Isaac começou a ajudar o pai, Joaquim, em pequeno e hoje é apoiado pelo filho, Alexandre. Fica, assim, garantida a quarta geração do clã Isaac atrás do balcão da loja, que tem conseguido assegurar a sucessão de forma natural.

A casa abriu em 1926, pela mão de José Vicente Tereso, avô de Norberto e homem ligado à construção naval. Só ele esteve mais de cinco décadas atrás do balcão. Em 1971, o negócio passou a ser gerido pelo filho do fundador, Joaquim Vicente Isaac, que o passou a Norberto em 1985. Motivos para afirmar que a loja do clã Isaac está de pedra e cal na vila.

Região de Cister - Assine já!

Na rua, entretanto rebatizada de Rua Doutor José Laborinho Marques Silveira, o estabelecimento comercial quase passa despercebido. Não há placa com nome e apenas dois pequenos autocolantes informam sobre o serviço de duplicação de chaves. Norberto Isaac sabe que não precisa de publicidade no exterior da loja, “que toda a gente conhece na Nazaré”.

No espaço comercial, onde, para além de ferragens e chaves, há tintas e material elétrico, Norberto Isaac consegue encontrar qualquer produto “de olhos fechados”. É impressionante a ginástica mental do nazareno, que sabe bem o que cada cliente precisa e até se lembra da cor exata da tinta que alguém levou tempos antes.

Alguns dos fornecedores são os mesmos há mais de 70 anos, os clientes que tem agora são bastantes menos do que os que antigamente procuravam os materiais da loja de ferragens, mas o movimento mantém-se constante. No período de uma hora, em que o REGIÃO DE CISTER o acompanhou, o comerciante aviou meia dúzia de clientes e ainda recebeu um novo fornecedor.

A Nazaré de outrora não é mais a mesma, reconhece Norberto Isaac, que nota um decréscimo no seu negócio na ordem dos 50 por cento. “O núcleo da vila mudou-se lá para cima”, analisa o comerciante, que lembra ainda o “fenómeno das grandes superfícies”. Para o nazareno, “o cliente vai ao engano a pensar que poupa”, quando, na realidade, a melhor resposta está no comércio tradicional.

AD Footer

Artigos Relacionados

Alimentar o cérebro

Muito gosto eu de falar de comida! Bom, de falar e de comer. Gosto sobretudo da variedade dos...

Futebol: Ginásio volta a pintar de azul e branco a Taça Distrital da Fundação Inatel

Novamente no Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria. Novamente na decisão por penáltis. A história foi semelhante, foram...

Futebol de praia: Sótão “vinga” Supertaça e faz melhor primeira volta de sempre

Depois da pesada derrota diante do Sp. Braga (1-7) na Supertaça Nacional, o Sótão deu a melhor resposta...

Hóquei: Melhor época de sempre da Biblioteca ainda pode dar subida…

Pode ser absolutamente histórico. Com o empate na visita ao reduto do Alenquer (5-5), este sábado, a Biblioteca...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!