Câmara de Alcobaça aprova concurso da ALEB

A Câmara de Alcobaça aprovou, esta segunda-feira, por unanimidade, a empreitada de construção da Área de Localização Empresarial da Benedita (ALEB), uma obra estimada em mais de 8 milhões de euros e que tem comparticipação assegurada de 3,4 milhões de euros.

Com prazo de execução de 16 meses, a obra poderá arrancar no próximo verão, após o visto do Tribunal de Contas.

O terreno da Quinta da Serra foi adquirido pela autarquia em 2005 por 5,3 milhões de euros, mas o facto de estar integrado no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros e de estar destinado a área florestal motivou grande polémica. Década e meia depois, o projeto está pronto a arrancar, depois de ultrapassadas “todas as vicissitudes”, conforme explicou o presidente da Câmara.

Paulo Inácio recordou que este foi “um processo em que muita gente se empenhou” e explicou, ainda, que a Câmara ainda “não definiu o modelo de governança para a ALEB”, deixando em aberto todas as possibilidades.

“Este é um dia histórico”, afirmou o chefe do executivo municipal, secundado pelo vereador Carlos Bonifácio (CDS/PP). O antigo vice-presidente considerou que a compra do terreno, no derradeiro mandato de José Gonçalves Sapinho (PSD) era “um risco calculado” e lamentou que o negócio tenha sido “alvo de uma participação criminal”. César Santos (PS) também falou de um dia "em que se faz história e de grande importância para o concelho".

A futura Zona Empresarial Responsável da Benedita, com uma área de 53,7 hectares, será constituída por 76 parcelas que se destinam à instalação de indústria, logística, armazenagem, comércio e serviços.

Entre as medidas de compensação ambiental a que a autarquia se comprometeu com a construção da ALEB está a plantação de um bosque mediterrânico.

Entretanto, a empreitada de beneficiação do troço do IC2 na zona na Benedita vai contemplar uma rotunda de acesso à ALEB na Avenida da Igreja, devendo avançar em 2020.