Dinis Mikado vive entre o abstrato e o contemporâneo

O prazer pela pintura sempre esteve lá, mas foi na adolescência que decidiu dar um “salto de fé” e procurar formação académica na área no Externato Cooperativo da Benedita. Ainda a dar os primeiros passos na carreira artística, Dinis Mikado já conta com algumas exposições no currículo e promete “continuar a desafiar os obstáculos em busca de uma carreira artística de sucesso”.

“Sempre achei piada ao desenho, sempre gostei muito de desenhar e creio que é um talento natural”, diz ao REGIÃO DE CISTER o beneditense. ”Foi aos 13 anos que decidi seguir a vertente das artes e frequentar o curso de Artes Visuais no Externato Cooperativo da Benedita”, recorda. Com vários trabalhos expostos ao longo do percurso académico e com o talento recorrentemente reconhecido e aplaudido pela comunidade escolar, pouco tempo passou até que o talento de Dinis Mikado, de 20 anos, não passasse despercebido fora do meio académico. 

“Entrei no mundo da pintura de uma forma profissional há cerca de um ano, mas tenho de confessar que não tem sido fácil”, desabafa. “Este é um meio um pouco desafiante, porque, na minha opinião, ainda há algum desinteresse face à arte na nossa região”, acrescenta. Embora tenha “bastante orgulho” nas pinturas de estilo realista que tem vindo aperfeiçoar ao longo dos últimos tempos, Dinis Mikado afirma que ainda surge como um desafio encontrar alguém com interesse genuíno na pintura e em expor os trabalhos de artistas que ainda estão a dar os primeiros passos. “Viver da música num meio tão pequeno não é fácil, mas creio que viver da pintura ainda é um desafio maior”, reitera.  

Contudo, Dinis Mikado afirma que tem tido momentos de “sorte” e um deles foi conhecer o “mentor” João Bello. “A parceria com ele nasceu no rescaldo da minha primeira exposição. Fomos apresentados nessa situação e, alguns meses depois, voltámos a falar e surgiu a hipótese de colaborar a nível profissional”, revela. Dessa parceria nasceu a exposição “Duas Faces”, patente no Marcianus Bar, em Foz do Arelho, até 5 de janeiro. A mostra reúne o trabalho dos dois artistas e visa convidar o público a apreciar a arte num ambiente convidativo e descontraído.

“A par da exposição estou atualmente a desenvolver outros trabalhos que aliam duas das minhas paixões: o realismo e a II Guerra Mundial”, revela ao REGIÃO DE CISTER. “Também pinto em estilo abstrato e contemporâneo, mas são pinturas mais rápidas de fazer e a verdade é que o realismo é o movimento que me dá mais prazer”, declara. 

Ciente de que ainda tem um longo percurso profissional pela frente, repleto de altos e baixos típicos da profissão que ambiciona exercer, Dinis Mikado está disposto a enfrentar as adversidades e construir uma carreira de renome. “A longo prazo, gostava de conseguir viver da pintura, mostrar que não é algo impossível e revelar ao público como são belas a arte e a pintura”, nota o jovem artista que sonha ser reconhecido entre os grandes artistas.