Estado avança com concurso para hotel no Mosteiro

O concurso público para a instalação do hotel no Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça vai ser lançado na próxima semana. O anúncio foi feito este sábado pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), numa cerimónia oficial, que decorreu no monumento.

O hotel deverá ser classificado com “quatro ou mais estrelas”, ter uma capacidade de 80 quartos, criar 70 postos de trabalho, num investimento estimado em cerca de 15 milhões de euros, avançou o subdiretor da DGPC. João Carlos Sousa recordou também que foi feito previamente um estudo técnico, económico e financeiro, "que permitisse a identificação das áreas a afetar no estabelecimento, a análise e avaliação de integração no conjunto monumental, a definição de um perfil adequado ao equipamento, a determinação dos custos de instalação e uma análise da sua viabilização económica e financeira”.

O concurso, que será “limitado por prévia qualificação com publicidade internacional”, determinará que os futuros investidores na concessão apresentem “uma proposta concreta, não só do ponto de vista financeiro, mas também do ponto de vista arquitetónico”, referiu o responsável, estimando que a concessão, que terá o prazo de 50 anos, esteja adjudicada no início do próximo ano.

O anúncio do concurso público para o hotel significou "um dia histórico" para o presidente da Câmara de Alcobaça, que considerou ter "ganho uma batalha", uma vez que aguardava há vários anos pela abertura do processo. Paulo Inácio explicou que o Jardim do Obelisco, incluído na concessão, ficará aberto também à população. "Vamos ganhar também uma excelente praça, dentro do Claustro, onde estão previstos incluir alguns espaços comerciais no rés-do-chão e que sejam para usufruição de todos", acrescentou o autarca.

Para o secretário de Estado da Cultura “o património é algo que deve ser protegido mas não significa que seja mumificado”, daí que Jorge Barreto Xavier tenha defendido que “é essencial honrar a nossa história mas também é urgente encontrar caminhos para o uso contemporâneo do património”. Recordando a função residencial de outrora do monumento pelos monges de Cister, o governante considerou que o hotel “encontrará paralelo na hospedagem de turistas e viajantes que procurem a bela zona de Alcobaça e a sua envolvente para uma permanência mais ou menos demorada”.

O anúncio do concurso público do hotel no Mosteiro de Alcobaça antecedeu a inauguração da pedonalização da Levada e do Jardim do Amor, ao som da fadista Ana Moura.