Mosteiro de Alcobaça perdeu mais de 70% dos visitantes no primeiro semestre

O Mosteiro de Alcobaça registou uma queda de 70,1 % no número de visitantes no primeiro semestre deste ano.

Segundo os dados revelados pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), nos primeiros seis meses do ano, o monumento cisterciense recebeu 24.506 visitantes. No período homólogo do ano passado, o Mosteiro de Alcobaça tinha registado 84.040 entradas, quase quatro vezes mais comparativamente aos dados atuais.

A alteração destes valores está maioritariamente relacionada com a pandemia que obrigou ao encerramento dos museus, monumentos e palácios, assim como todos os espaços culturais entre 14 de março e 17 de maio na sequência do confinamento decretado pelo Governo para travar a propagação da Covid-19.

Os dados revelam ainda que no passado mês de junho, primeiro mês do semestre com plena abertura, o número de visitas nos 35 espaços tutelados pela DGPC desceu 89,1%. Se a mesma análise for restrita aos monumentos, onde o Mosteiro de Alcobaça se insere, revela-se uma variação negativa de 30,37% face ao período homólogo de 2019.

Ainda assim, o Mosteiro de Alcobaça está inserido na lista dos 10 espaços tutelados pela DGPC com mais visitas. O Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, lidera a tabela, com 152.845 visitantes, seguindo-se a Torre de Belém (84.601), o Palácio Nacional de Mafra com (70.607), o Museu Nacional de Arqueologia (47.360), o Convento de Cristo, em Tomar (42.364), o Mosteiro da Batalha (40.701), o Museu Nacional do Azulejo, (35.490), o Museu Nacional de Arte Antiga (33.176), o Panteão Nacional (24.506) e o Mosteiro de Alcobaça.