Quinta-feira, Julho 7, 2022
Quinta-feira, Julho 7, 2022

Banda de Alcobaça comemorou ressurgimento

Data:

Partilhar artigo:

A noite deste sábado foi duplamente especial para a Banda Sinfónica de Alcobaça. Além de assinalar 30 anos do ressurgimento da instituição, também deu continuidade às comemorações dos 95 da fundação da Banda de Alcobaça, que tiveram início no passado mês de março. Houve ainda tempo para homenagear músicos, maestros e ex-dirigentes.

A noite deste sábado foi duplamente especial para a Banda Sinfónica de Alcobaça. Além de assinalar 30 anos do ressurgimento da instituição, também deu continuidade às comemorações dos 95 da fundação da Banda de Alcobaça, que tiveram início no passado mês de março. Houve ainda tempo para homenagear músicos, maestros e ex-dirigentes.

Os três maestros da Banda de Alcobaça, agora designada de Banda Sinfónica de Alcobaça, Vítor Santos, Pedro Marques e Rui Carreira foram três dos grandes homenageados da noite. O concerto foi, aliás, um percurso de 30 anos da banda. Mas também outros músicos e dirigentes foram reconhecidos pela dedicação, empenho e trabalho na instituição, tendo sido brindados com uma lembrança simbólica.  

O concerto abriu com os músicos mais antigos a marchar, literalmente, pela sala do Cine-teatro, envergando as fardas de marinheiro originais . “Música para Instrumentos de Sopro e Percussão”, de Joly Braga Santos, foi o mote da abertura.

Seguiu-se o tema “Invierno Porteño”, de Astor Piazzola e o “Three Political Events“, de António Pinho Vargas, compositor que não conseguiu marcar presença no evento, mas que endereçou uma mensagem à plateia, lida pelo maestro Rui Carreira. O tema foi composto para a Orquestra de Sopros da Escola Superior de Música de Lisboa, tendo sido uma estreia fora de portas.

A segunda parte do concerto arrancou com o hino da banda, da autoria do maestro Vitor Santos, seguindo-se o momento alto com o solista Mário Marques. O saxofonista alcobacense acompanhou os elementos da Banda Sinfónica no “Concerto for Alto Saxophone and Wind Orchestra”, de Mike Mower. Ouviu-se ainda “Overture to ‘Candide’” de Leonard Bernstein, tendo o concerto culminado com a afamada canção “Quem passa por Alcobaça”. 

O presidente da Câmara de Alcobaça elogiou o trabalho e a perseverança da instituição ao longo das últimas três décadas, enaltecendo ainda o esforço dos músicos e dos seus familiares em manter viva uma das “maiores instituições da região”. No final, cantou-se, claro está, os parabéns à “menina” Banda de Alcobaça.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Central-periférica abre portas em Alcobaça a artistas em situação de risco

Um dos edifícios do centro histórico de Alcobaça está a dar “teto” a artistas internacionais. É ali, mais...

Dois detidos por tentativa de furto a residência em Famalicão

O Comando Territorial de Leiria, através do Posto Territorial da Valado dos Frades, deteve esta terça-feira dois homens...

Futebol: Ginásio fica pelas meias-finais no Inatel

O Ginásio caiu nas meias-finais do taça nacional da Fundação Inatel. Os azuis soçobraram na deslocação ao reduto...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!