Terça-feira, Agosto 9, 2022
Terça-feira, Agosto 9, 2022

Erasmus+ e Globalização: o Desafio

Data:

Partilhar artigo:

Poucos nomes de programas poderiam ser mais acertados do que o de “Erasmus”. Nascido em 1466, em Roterdão, esse facto foi para Erasmo apenas uma circunstância, e nunca um destino. Vivendo numa época difícil, num terreno perigoso, nunca se deixou acorrentar por quaisquer destinos, por quaisquer dogmatismos. Percorreu praticamente toda a Europa, dando aulas nas suas universidades mais famosas, como Paris, Bolonha, Oxford, Cambridge, Lovaina, Basileia… Nunca foi um seguidor, sem critério ou crítica, de qualquer facção – o que, por essa altura, era a regra na Europa: o “Príncipe do Renascimento”, sendo sempre igual a si mesmo, nunca se deixou apanhar no fogo cruzado do dogmatismo.

Por estes dias, o Agrupamento de Escolas de Cister, por intermédio da Escola Secundária D. Inês de Castro, está a viver uma experiência exaltante: professores e alunos da Turquia, da Itália, da Estónia e da Lituânia estão connosco, sob a égide do programa ERASMUS+. Dentro de alguns meses, os nossos alunos estarão nesses países, recolhendo novas experiências e visões.

O que se pretende? 

Que alunos e professores, independentemente dos países de origem, das suas culturas e línguas maternas, falem sobre um desígnio comum: como sermos melhores cidadãos, mais cultos e tolerantes.

Porém, logo desde o início, nos apercebemos de uma magna dificuldade (cuja resolução estava entre os grandes desígnios de Erasmo de Roterdão): há neste projeto cinco línguas maternas diferentes, de três famílias linguísticas diferentes. Se extrapolarmos para toda a Europa, contaremos com mais de 60 línguas. Só a EU reconhece 24 línguas oficiais… Nenhum projeto comum sobreviverá a tanta diversidade.

Não sei se já ouviram falar na Unbabel: é uma plataforma de tradução humana, movida a inteligência artificial, que, embora sediada em San Francisco, tem sangue português na sua origem. De algum modo, trata-se de um desejo de regresso ao tempo mítico que precedeu a Torre de Babel.

Erasmo, que pugnava por uma língua (europeia) comum, tornar-se-ia sócio da Unbabel e seria um estudante em Erasmus+.

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Cinco feridos após despiste de viatura que causou incêndio rural em Alfeizerão

Cinco pessoas ficaram feridas na sequência de um despiste de uma viatura, na tarde desta sexta-feira, na localidade...

Nazarena Raquel Libório eleita Best Face Teen Mundial 2022

Raquel Libório, natural da Nazaré, foi eleita Best Face Miss Teen Mundial 2022. A distinção da jovem nazarena, de...

Francesinhas à moda do Porto são a mais recente novidade em Turquel

O café/snack-bar “Mira-Serra”, em Turquel, tem um novo “sabor”. Tudo porque, há três meses, o espaço, agora com...

Atelier do Doce remodela casa para criar projeto inovador

A “casa” do Atelier do Doce tem estado em obras. Com a ampliação para mais 1.500 metros quadrados,...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!