Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024

Pneugare começou há 41 anos pela mão de Augusto Matias

Data:

Partilhar artigo:

Não chegou a fazer a 4.ª classe, apesar de a professora primária ter pedido ao pai que deixasse o pequeno Augusto acabar os estudos. Mas os tempos eram difíceis e a família contava já com sete filhos.

Não chegou a fazer a 4.ª classe, apesar de a professora primária ter pedido ao pai que deixasse o pequeno Augusto acabar os estudos. Mas os tempos eram difíceis e a família contava já com sete filhos.

Com apenas 12 anos, Augusto Macedo Matias, nascido em Porto-do-Carro, freguesia da Maceira, começou a trabalhar na Recauchutagem Seiça, na Marinha Grande. Por essa data, o pai vendia carrasca que apanhava nos pinhais para a caldeira a vapor daquela empresa para a vulcanização dos pneus. Ali aprendeu o ofício e esteve 20 anos, até se mudar para a Recauchutagem 31, em Alcobaça, onde permaneceu sete anos. Pelo meio, perdeu o pai, que faleceu aos 65 anos. “Ele trabalhava comigo na Recauchutagem Seiça quando morreu, mas, antes disso, teve muitas profissões: foi resineiro, carvoeiro e vendedor de peixe. Fazia carvão, que vendia na Nazaré, onde comprava peixe para depois vender em Pataias e na Burinhosa”, recorda Augusto Macedo, que viveu naquela aldeia do norte do concelho de Alcobaça dos 2 aos 23 anos, quando se casou e se mudou para Pataias.

Região de Cister - Assine Já!

Em 1979, decidiu abrir o seu próprio negócio de pneus em Pataias. Há 41 anos no mercado, a Pneugare começou junto à Avenida Rainha Santa Isabel, mas, dois anos depois da fundação, Augusto Matias aventurou-se na construção de instalações próprias onde hoje se situam, a meio caminho entre Pataias e Pataias-Gare.

Quando começou a trabalhar por conta própria, montou uma secção de vulcanização de pneus e, em simultâneo, dedicava-se às telas transportadoras que montava em empresas de vários setores, desde a pedra ao vidro.

“Trabalhávamos em Lisboa, Castelo Branco, Figueira da Foz e em toda a região”, recorda o empresário, que hoje tem 80 anos. “Era um trabalho muito duro e tínhamos de trabalhar aos domingos e feriados, que era quando essas empresas estavam fechadas e podíamos montar as estruturas”, conta o octogenário, que, depois de uma década a montar telas transportadoras foi aconselhado pelo médico a afastar-se dessa atividade, na sequência de um problema cardíaco.

Dedicou-se depois aos pneus novos, tendo montado depois a lavagem automática. “Hoje há muita concorrência e uma coisa que muito me admira: apesar de haver casas de pneus em Pataias, as pessoas de cá preferem ir a Alcobaça, Marinha Grande ou Leiria”, lamenta.
Para trás, na década de 1980, ficaram 11 anos de patrocínio da equipa de futsal que tinha o mesmo nome da empresa e que foi campeã distrital na época 1989/90. “Quando subimos à 1ª Divisão, desistimos porque era uma equipa de pessoas com os seus empregos e não jogavam de forma profissional”, explica o empresário.

A sucessão da Pneugare há muito que está garantida. Augusto Macedo já teve os três filhos a trabalhar consigo, mas apenas Nélio Macedo, o do meio, quis ficar no negócio dos pneus. É ele que mantém as portas abertas e é o único funcionário da casa. O pai reformou-se há 19 anos, mas mantém-se como “moço de recados”, como refere, com humor. Cabe a Augusto Macedo tratar de burocracias como a ida ao banco e é ele que transporta os clientes que precisem de ali deixar o carro.

AD Footer

Artigos Relacionados

Casas com História: Glória dá chama ao Isqueiro há cerca de quatro décadas

Corria o ano de 1984 quando Glória Alexandre e António Alexandre decidiram abrir as portas de um espaço...

Salão do UDT acolhe jantar comemorativo do Dia da Mulher

O salão da sede da União Desportiva de Turquel estará engalanado no próximo dia 1 de março. Nessa data,...

Agrupamento de Escuteiros da Benedita dinamiza “Noite de Fados” no dia 24

O Centro Cultural Gonçalves Sapinho será palco, este sábado, dia 24, da “Noite de Fados” dinamizada pelo Agrupamento...

Santa Casa da Misericórdia de Alcobaça recebe sessão do projeto “ATIVAmente” dinamizado pela UFAV

Fortalecer a coesão social e a saúde mental na freguesia é o principal objetivo do projeto “ATIVAmente”, que...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!