Terça-feira, Maio 30, 2023
Terça-feira, Maio 30, 2023

Iliteracia Motora

Data:

Partilhar artigo:

“Decreto o estado de emergência de brincar ao ar livre”, foi assim que Carlos Neto, professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, respondeu à questão “Como poderemos ser livres perante o medo do vírus pandémico”?, a propósito do lançamento do livro “Libertem as Crianças”.

O especialista em comportamento motor, que protagonizou, em 2015, a entrevista mais lida e partilhada de sempre em Portugal (“Estamos a criar crianças totós, de uma imaturidade inacreditável”), está de volta com este livro que nos apela à reflexão –  é urgente brincar e ser ativo! Carlos Neto apresenta-nos estratégias para devolvermos a magia da infância aos nossos filhos; pois, segundo o autor, só assim poderemos ter adultos felizes e saudáveis.

Há uma irrefutável problemática de sedentarismo e analfabetismo motor, ou seja, vivemos uma “cultura de iliteracia motora” que urge ser intervencionada sem demoras

Os 40 anos de investigação no campo do Desenvolvimento Motor e Jogo em crianças e jovens demonstram dados assustadores: tendências para doenças cardiorrespiratórias e pulmonares; obesidade; diabetes e problemas do foro psicológico e cognitivo. As investigações demonstram que as crianças brincam menos de uma hora por dia. No século XXI não seria expectável trazer esta questão ao palco das necessidades por ser – o brincar – algo natural e secular. Contudo, verifica-se um declínio do “brincar e ser ativo na infância”.

Região de Cister - Assine já!

Há uma irrefutável problemática de sedentarismo e analfabetismo motor, ou seja, vivemos uma “cultura de iliteracia motora” que urge ser intervencionada sem demoras. É um problema de saúde pública. O autor diz-nos que este défice de repertório motor pela ausência de movimento vai refletir-se no futuro destas gerações. Controlamos a energia natural das crianças, restringimos a liberdade em detrimento da autonomia; o autor chega a afirmar que a “praga do século” não são as pandemias, mas a geração patológica de pais protetores e inseguros.

O autor pede que “libertem as crianças e as devolvam à natureza”; afirma que não podemos ter só o mundo “na ponta dos dedos”; é preciso senti-lo no “corpo”. Brincar ativa a cognição e promove o sucesso escolar. Ainda que vivamos os efeitos da “pandemia do medo”, sabemos que será transitório; portanto, que não nos sirva de desculpa aquando o regresso da bonança.

AD Footer
Artigo anterior
Próximo artigo

Artigos Relacionados

HC Turquel goleia Entroncamento e sela regresso à elite do hóquei em patins nacional

O HC Turquel goleou o Entroncamento (6-1), numa partida referente à 25.ª e penúltima jornada da Zona Sul...

Despiste rodoviário causa um ferido grave em Évora de Alcobaça

Um despiste rodoviário, ocorrido na tarde desta sexta-feira, na freguesia de Évora de Alcobaça, provocou ferimentos graves a...

HC Turquel: regresso à elite nacional à distância de 1 ponto

1 ponto (apenas 1!) na receção ao Entroncamento no próximo dia 27 de maio (21 horas) garante, de...

Physioclem investe em novas instalações em Alcobaça

Já estão abertas as portas da nova “casa” da Physioclem em Alcobaça, na mesma rua onde há mais...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!