Quarta-feira, Agosto 10, 2022
Quarta-feira, Agosto 10, 2022

Carnaval em tempo de guerra

Data:

Partilhar artigo:

Apesar de alguns “militares” de fantasia no Rossio de Alcobaça, aqui a luta era muito mais benfazeja que a vergonha e a matança que invade a Ucrânia e que, mesmo assim, não nos põe a concordar com uma coisa tão simples quanto a paz. Sim, todos são maus, desde a Casa Branca ao Kremlin, sempre foram, sempre serão, mas nunca houve tão pouca unanimidade em coisas tão óbvias, até cá entre a gente, que não se entende, nem se quer entender.

Pego no meu filho e juntamo-nos à “luta” em forma de festa que se desenrola, pacificamente, na Praça 25 de Abril. Uma “batalha” para recuperar o tempo perdido, na festa símbolo e fetiche da nossa cidade: o Carnaval de Alcobaça. Eu vou de matrafona/ Capuchinho Vermelho; ele de Naruto. No Carnaval não há ridículo, e de barbas e totós, ouço, deliciado, a afirmação do meu filho “Nunca vi tanta gente em Alcobaça!” Pois não, ou talvez não, mas “isto é que Alcobaça, meu querido filho.”

Como há quem defenda, com politiquices e whataboutismos, a guerra, com certeza também muita gente, inimiga da vida, ficou em casa a imaginar surtos e a pensar num passado que ainda estando presente, não se pode tornar no nosso futuro.

Dancei, bebi e fiz “noitada” com o meu filho até à 1 da manhã. Sem tenda, as pessoas estavam na rua, felizes, dançando, vendo-se, tocando-se. Todos pensavam “este já ninguém nos tira.” E quando o mundo, pelos vistos, pode acabar a qualquer momento, nada como um capuchão vermelho com o seu filho Naruto às costas, desde as Freiras até casa, para representar simbolicamente que só podemos carregar o peso dos nosso filhos, fazendo e ensinando o que nos parece certo para que eles não cresçam já não digo para serem o Putin, ou os vários Presidentes Americanos que tantas bombas também lançam, ou os ditadores Africanos, ou os Príncipes Sauditas; mas apenas para saberem ler e escolher por tanta raiva escrita, tanta ignorância e desinformação que por aí se dissemina e que é o verdadeiro vírus. Um que mata ainda em vida.

AD Footer
Artigo anteriorIr aos correios
Próximo artigoRoadrage
spot_img

Artigos Relacionados

Casa com história: Oficina Vilela “cura” carros há quatro décadas e meia

Era um menino de 11 anos quando começou a dar serventia a pedreiros. O trabalho desde cedo afastou-o...

Cinco feridos após despiste de viatura que causou incêndio rural em Alfeizerão

Cinco pessoas ficaram feridas na sequência de um despiste de uma viatura, na tarde desta sexta-feira, na localidade...

Nazarena Raquel Libório eleita Best Face Teen Mundial 2022

Raquel Libório, natural da Nazaré, foi eleita Best Face Miss Teen Mundial 2022. A distinção da jovem nazarena, de...

Francesinhas à moda do Porto são a mais recente novidade em Turquel

O café/snack-bar “Mira-Serra”, em Turquel, tem um novo “sabor”. Tudo porque, há três meses, o espaço, agora com...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!