Terça-feira, Agosto 16, 2022
Terça-feira, Agosto 16, 2022

Vai uma “jogatana” de padel?

Data:

Partilhar artigo:

Pode parecer estranho, mas esta história sobre o padel começa a ser contada por um treinador de… futsal. Gabriel Fernandes é o técnico da equipa sénior do Centro Social de Évora, mas, desde há três anos, concilia as duas modalidades desportivas na rotina semanal. Ainda antes da pandemia, apanhou o “bichinho” pelo padel e daí até ser um apaixonado pela modalidade foi um pequeno salto.

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

“Além de ser uma forma de criar novas amizades, senti também uma grande diferença na minha saúde física”, começou por referir o caldense, que deu as primeiras raquetadas mais a sério no Padel Clube de Alcobaça, já depois de ter experimentado a modalidade num campo aberto à comunidade, em Caldas da Rainha. “Desde que comecei a jogar com mais regularidade perdi muito peso”, conta Gabriel Fernandes, revelando que pesava 120 quilos e agora já conseguiu baixar dos três dígitos, pesando 95 quilos. “Não foi só o padel que ajudou a perder peso, mas teve uma grande importância neste equilíbrio físico”, salientou o jogador, de 54 anos, que representa atualmente o Caldas Rugby Clube na Liga Nacional de Clubes.

Sobre a modalidade que pratica assiduamente, o jogador, que contabiliza uma carreira de 42 anos no… ténis de mesa, destaca o facto de “integrar todos os tipos de estaturas físicas”, sublinhando que exige “uma resistência muito grande na disputa de cada ponto”, razão pela qual “acaba por trazer inúmeros benefícios para a saúde física e também mental”. O técnico de futsal assume que costuma jogar, pelo menos, quatro vezes por semana, sendo uma delas para a liga de clubes, porém, afirma também que gosta de jogar padel pelas amizades que se criam.

Essa mesma “amizade” é sublinhada por Mário Cerol, que, “tanto quanto possível” é jogador no Padel Clube de Alcobaça. “Passamos sempre bons momentos, não só em campo, mas também fora dele”, refere o alcobacense, que já participou em vários torneios do distrito.

“É o momento em que consigo aliviar do stress diário”, assevera, aliando, também, o facto de ajudar à prática de exercício físico com maior regularidade. Mas, e no caso do comandante dos Bombeiros Voluntários da Nazaré, esta história até tem uma particularidade: o alcobacense já jogou andebol e futebol, mas nunca tinha pegado numa raquete para um jogo mais a sério.

“É uma modalidade nova, mas que tenho gostado bastante”, sustenta, acrescentando, em jeito de brincadeira, que durante aquele período em que está nos courts é “apenas o Mário Cerol e não o comandante dos Bombeiros”.

O antigo comandante dos Bombeiros de Alcobaça costuma jogar padel duas vezes por semana, no clube de Alcobaça, e é uma das centenas de novos jogadores que têm sido “descobertos” nos courts de padel da região.

O Padel Clube de Alcobaça foi um dos pioneiros do padel nos três concelhos da região, tendo sido inaugurado em 2019. O clube conta com 60 alunos e mais de 150 praticantes, sendo que 30 representam as duas equipas inscritas na Liga Nacional de Clubes. Os atletas integram faixas etárias desde os 8 aos 50 anos e durante a semana são inúmeros os treinos que decorrem naquele espaço. Ali são também realizados torneios, alguns dos quais já chegaram a ter 46 duplas em competição no período de apenas dois dias, mas também muitas aulas e apenas sessões de treinos, em que os praticantes procuram somente fazer desporto, sem qualquer compromisso competitivo.

“A maior parte das pessoas que vem jogar padel, e contrariamente ao que se pensa de que são ex-jogadores de ténis, nunca tinha pegado numa raquete e chega com experiência noutras modalidades como o futebol, ciclismo, btt…”, refere Bruno Rego, que gere o Padel Clube de Alcobaça em parceria com Davide Coelho. O empresário, e também juiz-árbitro da Federação Portuguesa de Padel, considera que o que motivou, e continua a motivar, as pessoas a conhecerem esta modalidade é o facto de quererem praticar desporto, sem recorrerem aos habituais ginásios, e, dessa forma, aliarem também a vertente desportiva à vertente social. “No padel encontram-se as mais variadas gerações, de diversas atividades profissionais completamente distintas, mas que, através do padel, acabam por criar uma ligação que chega a evoluir para amizades e, em alguns casos, até mesmo para ligações profissionais”, revela o alcobacense.

Sobre a evolução do clube de Alcobaça, Bruno Rego afirma que “o número de atletas é bastante positivo, sobretudo, depois da pandemia”. Todavia, nota que é necessário mais espaço para crescer. O clube conta atualmente com dois campos, com 200 metros quadrados cada.

Ainda assim, há sempre espaço para um joguinho. Escolha um par para fazer a dupla – o parceiro ideal é aquele com quem quiser jogar – e força na raquete. Boa jogatana!

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Capotamento de veículo provoca um ferido em Alfeizerão

O capotamento de um veículo ligeiro de passageiros, ocorrido na manhã desta terça-feira, na curva junto à Pousada...

Tradição de Santa Susana recriou jogo de hóquei com… burros

A tradição ainda é o que era, pelo menos em Turquel. As comemorações em honra de Santa Susana,...

Jovens participam em ações de sensibilização e limpeza de praias na Nazaré

Arranca, esta terça-feira, o projeto "A Praia é nossa. O responsável és tu!, da Câmara da Nazaré, integrado...

Alemão e grego dinamizam projeto com objetos de praia em Alcobaça

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se tranforma”. A célebre frase de Antoine Lavoisier pode...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!