Segunda-feira, Agosto 8, 2022
Segunda-feira, Agosto 8, 2022

Casas com História: café e mercearia Isilda cruza gerações há mais de 30 anos

Data:

Partilhar artigo:

É à beira da estrada, na reta do Casal do Marques, que se situa um dos espaços comerciais mais antigos da freguesia da Cela. O café e mercearia Isilda já conta com mais de três décadas de “porta aberta”. 

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

Inicialmente abriu apenas como mercearia. A data que consta do alvará é a de 21 de março de 1990. Isilda Dias, o rosto do estabelecimento comercial, aproveitou um espaço de família e decidiu investir naquele ramo de negócio.

Os pais, José Eusébio Dias e Amélia Dias, estavam ligados à produção de fruta, que vendiam no mercado, – sendo que ambos também se dedicavam à criação de gado – e esse foi um dos fatores que motivou Isilda a entrar no mundo empresarial.

E assim foi durante nove anos. “O início foi bastante bom. Ainda não havia hipermercados, aqui na zona a oferta deste tipo de produtos de mercearia era escassa e naquela época vendíamos bastante. Éramos um ponto de referência da freguesia da Cela”, sublinha.Com o passar dos anos, outra ideia surgiu: potenciar o espaço existente e aproveitá-lo também para café. Aconteceu em 1999.

A justificação prendeu-se com as necessidades que o negócio começou a exigir. “Passou a haver um decréscimo de vendas na mercearia e a ausência de cafés na zona levou a que tomássemos esta decisão”, nota Isilda Dias, que ficou satisfeita com os resultados obtidos nas décadas seguintes. Durante parte desse período, refira-se, o café e a mercearia foram geridos por José Eusébio Dias, Amélia Dias e Catarina Pedro, pais e filha de Isilda, respetivamente, uma vez que a empresária e o marido, Arménio Pedro, dedicaram-se à camionagem.

Depois disso, aproveitou para tirar um curso profissional que lhe deu equivalência ao 9.º ano, mas a opção recaiu por voltar ao negócio que tinha iniciado e que é um ponto de convergência para grande parte da população da localidade. “É verdade que este era o ponto de encontro diário de muita gente, mas com a covid-19 estivemos muito tempo fechados e isso refletiu-se nas vendas, claro. E se a porta ainda está aberta é porque o espaço vem de família e não pagamos renda.

Caso contrário, com tanta despesa e tão pouca faturação, já tínhamos fechado”, admite a comerciante, tentando ter algum otimismo para o futuro: “Tem-se visto tanta coisa que, muito sinceramente, não sei quem vai conseguir sobreviver a todos os problemas causados pela pandemia. Eu bem queria ter uma boa perspetiva para o negócio, mas não sei até quando poderá durar…”

Pese embora a situação atual, o patriarca da família está feliz. “Claro que é um orgulho ter uma casa aberta há tantos anos. O negócio já deu muito lucro, mas hoje só dá prejuízo”, lamenta José Eusébio Dias, antigo empresário de gado e de fruta no concelho.

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Cinco feridos após despiste de viatura que causou incêndio rural em Alfeizerão

Cinco pessoas ficaram feridas na sequência de um despiste de uma viatura, na tarde desta sexta-feira, na localidade...

Nazarena Raquel Libório eleita Best Face Teen Mundial 2022

Raquel Libório, natural da Nazaré, foi eleita Best Face Miss Teen Mundial 2022 A distinção da jovem nazarena, de...

Francesinhas à moda do Porto são a mais recente novidade na freguesia de Turquel

O café/snack-bar “Mira-Serra”, em Turquel, tem um novo “sabor”. Tudo porque, há três meses, o espaço, agora com...

Atelier do Doce remodela casa para criar projeto inovador

A “casa” do Atelier do Doce tem estado em obras. Com a ampliação para mais 1.500 metros quadrados,...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!