Quinta-feira, Fevereiro 2, 2023
Quinta-feira, Fevereiro 2, 2023

Fruta mais doce apesar de quebras avultadas na colheita

Data:

Partilhar artigo:

São previstas quebras nas colheitas deste ano de Pera Rocha do Oeste e de Maçã de Alcobaça. No caso da pera, as quebras podem ascender aos 50% e na maçã deverão ser acima dos 20%. Ainda assim, os produtores apontam para que a fruta seja mais rica em nutrientes e com níveis altos de brix.

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

Em relação à pera, as estimativas são avançadas pela Associação Nacional dos Produtores de Pera Rocha, sendo também confirmadas pelo presidente da Cooperfrutas ao REGIÃO DE CISTER, sublinhando que o valor pode, ainda assim, sofrer alterações até ao fim da colheita. Sérgio Pereira aponta a estenfiliose [doença que ataca principalmente nas folhas, frutos, pecíolos e pedúnculos e é causada pelo fungo, sendo também conhecida como doença das manchas castanhas] e a seca extrema registada durante este ano como as principais causas para a quebra na quantidade da fruta. “O calibre menor e a elevada quantidade do número de frutos estragados são consequências desta quebra”, afirma o também produtor.

A Cooperfrutas trabalha com cerca de 70 produtores, dos concelhos de Alcobaça e de Caldas da Rainha, sendo que, admite o empresário, todos “os produtores se estão a deparar com a mesma situação”, ainda que em proporções diferentes. Sobre o aumento do preço a que a fruta é comercializada, Sérgio Pereira nota que o mesmo poderá subir, “embora não compense os prejuízos causados pelas quebras nas colheitas.
O dirigente pede ainda mais apoios, a nível técnico e financeiro, para fazer face ao impacto das quebras no setor. Todavia, ressalva também Sérgio Pereira, a pera terá níveis mais elevados de brix. Que é como quem diz, será mais doce.

Essa é também a mensagem que transmitiu o presidente da Associação de Produtores de Maçã de Alcobaça (APMA) ao REGIÃO DE CISTER. Jorge Soares aponta a uma quebra de produção de 21%, salientando que haverá o mesmo número de frutos, todavia com menor calibre.

Região de Cister - Assine Já!

Os consumidores da Maçã de Alcobaça não vão, contudo, ser afetados por esta quebra, uma vez que a associação vai disponibilizar o “mesmo número de maçãs certificadas para comercializar”, e, refere o presidente da APMA, ainda vão ser beneficiados: “com menos peso, e gastando menos, a população consegue ter o mesmo número de maçãs em suas casas”. Além disso, afirma também, a “fruta, tendo sido produzida com menos água e sendo mais amiga do ambiente, melhorou na qualidade”. “A planta defende-se, desenvolvendo outras substâncias opostas às do crescimento, o que resulta num fruto extremamente doce”, nota. “As maçãs vão ser 20% menores em calibre, a receita para os produtores vai ter uma quebra de 20%, mas, para os consumidores, uma maçã com menos 20% de tamanho e peso tem, sensivelmente, em concentração de ácidos, açúcares, e outros complementos, mais 20% do que no ano passado”, refere Jorge Soares, reiterando que o impacto das quebras de produção será apenas sentido do lado dos produtores, colocando mesmo em risco alguns deles.

As alterações climáticas são também apontadas pelo dirigente como a principal causa para esta quebra de produção, elencando que são necessárias medidas no setor, nomeadamente nas obras públicas, para atenuar os efeitos provocados pelo clima em Portugal. 

 

AD Footer

Artigos Relacionados

Associação de Monte de Boi tem um presidente… “ator”

É natural de Setúbal, mas ainda não tinha 1 ano de idade quando se mudou para o concelho...

Leiriense valoriza Chita de Alcobaça em marca de vestuário sustentável

A leiriense Inês Fonseca lançou recentemente uma marca de vestuário sustentável, a que deu o nome de Pandã,...

18 empresas da região distinguidas nos Wedding Awards 2023

A região viu 18 empresas serem reconhecidas, num total de seis categorias, na 10.ª edição dos Wedding Awards...

Hóquei: HC Turquel vence dérbi da região com Xavi(s) d’ouro

Vencer o dérbi diante da Biblioteca (7-5) já é bom, garantir a continuidade na liderança da Zona Sul...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!