Domingo, Setembro 25, 2022
Domingo, Setembro 25, 2022

Fruta mais doce apesar de quebras avultadas na colheita

Data:

Partilhar artigo:

São previstas quebras nas colheitas deste ano de Pera Rocha do Oeste e de Maçã de Alcobaça. No caso da pera, as quebras podem ascender aos 50% e na maçã deverão ser acima dos 20%. Ainda assim, os produtores apontam para que a fruta seja mais rica em nutrientes e com níveis altos de brix.

Este conteúdo é apenas para assinantes

Por favor, assine ou entre na sua conta para desbloquear este conteúdo.

Em relação à pera, as estimativas são avançadas pela Associação Nacional dos Produtores de Pera Rocha, sendo também confirmadas pelo presidente da Cooperfrutas ao REGIÃO DE CISTER, sublinhando que o valor pode, ainda assim, sofrer alterações até ao fim da colheita. Sérgio Pereira aponta a estenfiliose [doença que ataca principalmente nas folhas, frutos, pecíolos e pedúnculos e é causada pelo fungo, sendo também conhecida como doença das manchas castanhas] e a seca extrema registada durante este ano como as principais causas para a quebra na quantidade da fruta. “O calibre menor e a elevada quantidade do número de frutos estragados são consequências desta quebra”, afirma o também produtor.

A Cooperfrutas trabalha com cerca de 70 produtores, dos concelhos de Alcobaça e de Caldas da Rainha, sendo que, admite o empresário, todos “os produtores se estão a deparar com a mesma situação”, ainda que em proporções diferentes. Sobre o aumento do preço a que a fruta é comercializada, Sérgio Pereira nota que o mesmo poderá subir, “embora não compense os prejuízos causados pelas quebras nas colheitas.
O dirigente pede ainda mais apoios, a nível técnico e financeiro, para fazer face ao impacto das quebras no setor. Todavia, ressalva também Sérgio Pereira, a pera terá níveis mais elevados de brix. Que é como quem diz, será mais doce.

Essa é também a mensagem que transmitiu o presidente da Associação de Produtores de Maçã de Alcobaça (APMA) ao REGIÃO DE CISTER. Jorge Soares aponta a uma quebra de produção de 21%, salientando que haverá o mesmo número de frutos, todavia com menor calibre.

Os consumidores da Maçã de Alcobaça não vão, contudo, ser afetados por esta quebra, uma vez que a associação vai disponibilizar o “mesmo número de maçãs certificadas para comercializar”, e, refere o presidente da APMA, ainda vão ser beneficiados: “com menos peso, e gastando menos, a população consegue ter o mesmo número de maçãs em suas casas”. Além disso, afirma também, a “fruta, tendo sido produzida com menos água e sendo mais amiga do ambiente, melhorou na qualidade”. “A planta defende-se, desenvolvendo outras substâncias opostas às do crescimento, o que resulta num fruto extremamente doce”, nota. “As maçãs vão ser 20% menores em calibre, a receita para os produtores vai ter uma quebra de 20%, mas, para os consumidores, uma maçã com menos 20% de tamanho e peso tem, sensivelmente, em concentração de ácidos, açúcares, e outros complementos, mais 20% do que no ano passado”, refere Jorge Soares, reiterando que o impacto das quebras de produção será apenas sentido do lado dos produtores, colocando mesmo em risco alguns deles.

As alterações climáticas são também apontadas pelo dirigente como a principal causa para esta quebra de produção, elencando que são necessárias medidas no setor, nomeadamente nas obras públicas, para atenuar os efeitos provocados pelo clima em Portugal. 

 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Abertos centros de vacinação à covid-19 e gripe em Alcobaça, Nazaré e Porto de Mós

Já estão a funcionar os centros de vacinação à covid-19 e à gripe sazonal nos concelhos de Alcobaça,...

Na Drogaria Ribeiro, o cliente está sempre em primeiro lugar

O facto de o pai ser pintor e de, desde cedo, apreciar essa arte, levou António Ribeiro, alguns...

“Passeio Sénior 2022” levou centena de idosos à Feira de São Mateus

A iniciativa “Passeio Sénior 2022”, promovida pela União das Freguesias de Alcobaça e Vestiaria (UFAV), levou, este dia...

OesteCim abre concurso para contratação de oito novos bombeiros sapadores

A Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim), da qual fazem parte os municípios de Alcobaça e da Nazaré, abriu...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!