100 Maiores de Alcobaça e Nazaré crescem pelo quarto ano consecutivo

As 100 Maiores empresas dos concelhos de Alcobaça e Nazaré apresentaram em 2017 um volume de negócios de 841 milhões de euros, o valor mais elevado desde que o semanário REGIÃO DE CISTER começou a publicar, em parceria com a consultora Informa D&B, aquele ranking. A listagem é revelada numa revista distribuída gratuitamente com a edição de 27 de dezembro.

Desde 2013 que se regista um crescimento sustentável das maiores empresas da região, mas os resultados de 2017 são um valor recorde e representam um aumento de 97 milhões de euros, ou seja mais 13% de faturação em relação ao ano anterior. Em cinco anos, as vendas passaram dos 629 milhões de euros para os 841 milhões, o que significa que as 100 Maiores cresceram 33,7% em volume de negócios.

Outro dado importante desta análise efetuada pela consultora Informa D&B prende-se com os resultados positivos da centena de empresas, que atingiram os 30,6 milhões de euros nas contas do ano passado, valor que supera os 23,5 milhões de euros de lucro apurado em 2016 e duplica o resultado positivo das 100 Maiores em 2015, que se tinha fixado nos 15,1 milhões de euros.

As boas notícias para a economia da região não se ficam, todavia, por aqui, dado que também este lote de empresas tem vindo a reforçar os quadros de pessoal, ajudando a mitigar o problema no desemprego. Em 2017, as 100 Maiores de Alcobaça e Nazaré representaram 4.974 postos de trabalho, também o valor mais alto dos últimos cinco anos e que compara com os 4.746 empregos de 2016. Em 2013, primeiro ano de análise, as cem entidades davam emprego a 3.717 pessoas, números que dizem bem da capacidade que as empresas têm vindo a incrementar ao nível da criação de emprego.

Mais de 70% das 100 Maiores empresas de Alcobaça e Nazaré apresentam um carácter exportador, tendo faturado no ano passado quase 200 milhões de euros com os mercados externos

Por outro lado, mais de 70% das 100 Maiores empresas de Alcobaça e Nazaré apresentam um carácter exportador, tendo faturado no ano passado quase 200 milhões de euros com os mercados externos, o que contrasta com os 177 milhões de euros de vendas para o exterior em 2016 e os 152 milhões de euros registados em 2015.

O perfil de antiguidade das empresas também evidencia a estabilidade da economia da região, dado que 61% das entidades têm mais de 20 anos de atividade, empregam a esmagadora maioria da força de trabalho (3.890 empregados) e reúnem 65,7% do volume de negócios das 100 Maiores, com vendas de 553 milhões de euros.

Na dimensão por volume de negócios, apenas duas faturam mais de 50 milhões de euros, sendo que 82% da amostra apresenta vendas entre 2 a 10 milhões de euros. A última empresa a constar da listagem faturou em 2017 um montante de 2,5 milhões de euros.

Segundo a firmografia deste estudo, nas 100 Maiores empresas de Alcobaça e Nazaré há 23 sociedades anónimas, mas a esmagadora maioria das empresas (74) são sociedades por quotas. No perfil por capital social, 76 entidades têm um capital social superior a 50 mil euros, enquanto 6 empresas têm um capital social fixado nos simbólicos 5 mil euros.

A indústria transformadora é a mais representativa na listagem (40 empresas), apresentado um volume de negócios de 342 mil euros e 60,3% do total de postos de trabalho (2.997 empregados). O segundo setor mais representativo é o alojamento e a restauração, cujas duas dezenas de empresas significam 24,5% do total de vendas, com 206 mil euros), mas apenas 12,4% de emprego (619 empregados). Seguem-se os transportes, com 19 empresas a registarem em 2017 vendas de 159 mil euros e com 10,6% do total da força de trabalho das 100 Maiores de Alcobaça e Nazaré (528 empregados). A economia da região está bem e recomenda-se.

O concelho da Nazaré perdeu representatividade no ranking das 100 Maiores empresas da região, passando a ter dez entidades na lista. Contudo, uma das empresas que deixam de figurar é a Nazaré Qualifica, uma empresa municipal, que ficou de fora por razões óbvias: não está no “mercado” e executa, quase exclusivamente, serviços para a Câmara, o que desvirtuava a análise em comparação com outras empresas privadas. Em 2016, o concelho tinha 12 entidades na lista das 100 Maiores, com o concelho de Alcobaça, sem surpresa, a ter a hegemonia. Porém, os investimentos que têm vindo a ser executados na Área de Localização Empresarial de Valado dos Frades prometem ajudar a inverter esta tendência, dado que o concelho da Nazaré tem sido capaz de captar grandes empresas para ali se instalarem.