Casal cria serviço de apoio para comunidade estrangeira

Depois de uma temporada a viver no estrangeiro e, por isso bem conhecedores das dificuldades enfrentadas pelos emigrantes nas comunidades não-nativas, Emanuel Pereira e Marie Claire Kourouma regressaram a Alcobaça com um projeto inovador, que visa apoiar os emigrantes nas tarefas “simples” como ir aos correios, às finanças e até na manutenção da habitação durante as temporadas em que não se encontram no País.

“A ideia do Lovelyfavorite surgiu da perceção que se consolidava de cada vez que vínhamos a Portugal, e particularmente à nossa região, de que, apesar da significativa presença de estrangeiros nesta área geográfica, um serviço de apoio e acompanhamento que facilitasse a vida desta comunidade parecia não existir”, explica o alcobacense, que residiu durante uma temporada em Bruxelas.

O crescimento de turistas e de residentes estrangeiros  nos concelhos de Alcobaça e da Nazaré levou o casal a apostar nesta área. De acordo com Emanuel Pereira, “a decisão dos emigrantes de se fixarem carece ser complementada por um serviço que facilite a logística quotidiana associada à vida desta comunidade num país estrangeiro onde, em muitos casos, a própria comunicação com a comunidade residente não é um exercício fácil”. Deste modo, o Lovelyfavorite oferece serviços de gestão de propriedades (como observação das condições e manutenção das instalações da propriedade, receção e levantamento de correio e verificação e controlo de água, luz e gás), acompanhamento a instituições, entidades portugueses e serviços de tradução e secretariado. “Este é um serviço baseado numa relação de confiança, promovendo uma estadia mais confortável e agradável a todos os estrangeiros que decidiram comprar casa na nossa região e fazer dela o seu segundo domicílio”, explica Emanuel Pereira.

O projeto de apoio à comunidade estrangeira está também em funcionamento em Caldas da Rainha, no entanto os empresários revelam estar disponíveis para responder a solicitações em áreas geográficas mais distantes. Embora o projeto ainda esteja a dar os primeiros passos, o casal revela estar confiante quanto à pertinência e acredita que a pandemia pode ser um fator de reforço da procura do serviço. “Pensamos que a atual situação epidemiológica poderá reforçar a necessidade de recorrer aos serviços da nossa empresa, resultado da redução de mobilidade dos cidadãos entre países”, prevê o alcobacense.