Favicri prevê aumento de 30% nas vendas até final deste ano

São produzidas 14 mil peças por dia na Favicri, empresa de vidro da Martingança, que este ano deverá aumentar em 30% o volume de negócios. No ano de 2020, faturou 3,5 milhões.

Com 34 anos de atividade, a fábrica de vidros e cristais produz e comercializa peças decorativas e utilitárias, com destino ao mercado estrangeiro, sendo que a exportação representa já 95% da produção. As peças chegam a 23 países diferentes, com especial relevo para Itália, Holanda, Inglaterra, França, Espanha e Estados Unidos da América. Foi aliás, do outro lado do Atlântico que a Favicri criou para um cliente uma marca própria made in Portugal. Todas as semanas são carregados entre 14 a 16 camiões com destino ao mercado além fronteiras.

No ano de 2020, a Favicri investiu num novo forno com capacidade para 25 toneladas, num investimento de 4,5 milhões de euros, que permite “uma poupança de energia muito grande”, explica o sócio-gerente, Telmo Santos. Parte da verba foi resultado da candidatura do projeto ao Portugal 2020.

Apenas 10% da produção é feita de forma manual, em que o vidro é soprado por um vidreiro. De resto, a empresa, que utiliza 50% de vidro reciclado (que compra à Crisal), apostou na automatização das linhas de produção espalhadas pelos 8 mil metros quadrados de área coberta.

A produção é contínua nos 365 dias do ano e assegurada pela maquinaria robotizada e pelos 65 colaboradores. “Só assim conseguimos ser competitivos”, reflete Telmo Santos, falando da mudança operada na capacidade de produção, que hoje permite à empresa responder com eficácia aos apertados prazos que os clientes exigem. “É um ritmo muito acelerado porque o mercado é muito agressivo”, explica o sócio gerente.

Nos postos de trabalho da empresa encontram-se funcionários das mais inesperadas origens. Aos portugueses juntam-se nigerianos, paquistaneses, indianos e brasileiros.

A empresa consegue assegurar todas as fases de produção, que começa no gabinete de design, passa pelo fabrico das peças, a colocação de rolhas de cortiça nos garrafões – um dos produtos mais procurados – e termina no embalamento.

A Favicri é um negócio de família e já vai na terceira geração. Foi fundada por Manuel Agostinho dos Santos, pai de Telmo e de Paulo, os dois sócios, e nos quadros da empresa já estão também os netos do fundador, que, apesar de reformado, faz questão de passar tempo na fábrica.