Quarta-feira, Julho 6, 2022
Quarta-feira, Julho 6, 2022

Supermercado do Quico alimenta tradição de mercearia na Nazaré

Data:

Partilhar artigo:

Em meados do século XX o destino da maioria dos nazarenos era o mar. Com o apoio dos pais, Joaquim Quico “escapou” à vida de pescador ao abrir uma mercearia na vila da Nazaré com apenas 16 anos. Volvidas mais de seis décadas, a mercearia, que evoluiu para supermercado, continua a ser uma referência no comércio tradicional na Nazaré.

Em meados do século XX o destino da maioria dos nazarenos era o mar. Com o apoio dos pais, Joaquim Quico “escapou” à vida de pescador ao abrir uma mercearia na vila da Nazaré com apenas 16 anos. Volvidas mais de seis décadas, a mercearia, que evoluiu para supermercado, continua a ser uma referência no comércio tradicional na Nazaré.

É a mulher, Carolina Quico, quem tem assumido  o negócio nos últimos anos devido à saúde debilitada do marido. Mas, a história do casal quase se confunde com a da mercearia. “Quando me casei aos 21 anos o meu marido já tinha a mercearia. Agora tenho 70 anos… veja lá há quantos anos é que aqui estou”, atira a pederneirense.

“Os meus sogros não queriam que o meu marido fosse para o mar e como ele já tinha trabalhado como aprendiz noutras mercearias arranjaram-lhe um espaço para abrir a sua própria mercearia”, recorda a comerciante, que largou o campo ainda jovem para dar apoio ao marido na então mercearia. “Ele chegou também a trabalhar como motorista de pesados para a cooperativa de retalhistas e eu ficava a tomar conta da mercearia”, conta, enquanto atende uma cliente e vai confirmar o preço da compota à prateleira.

A loja do Quico, que abriu em 1958, foi conquistando o seu lugar ao longo dos anos, ao ponto de ter evoluído para um estabelecimento de maiores dimensões e de self-service, tal como acontecia nos primeiros supermercados das grandes cidades. “Chegámos a ter empregadas, principalmente no verão, porque não conseguíamos dar conta do recado com tantos clientes”, recorda.

O supermercado viria a abrir portas em 1984 num quarteirão acima da primeira mercearia, local onde hoje a família explora um negócio de alojamento local. O supermercado do Quico viria a tornar-se numa das lojas de referência na Nazaré. “Vinham pessoas de todo o lado de propósito. Havia muita diversidade e coisas que não havia em mais lado nenhum na região“, conta Carolina Quico, destacando o “café da avó” que era feito pelo marido. 

Com o decréscimo do negócio retalhista, a realidade é bem diferente. “Agora até o pão se vende mal”, lamenta a comerciante, confessando que “há clientes que entram e saem sem comprar nada”. “As pessoas vêm aqui buscar o que lhes falta à última hora”, desabafa a mulher, admitindo que nem os “viajantes” têm salvo o negócio. Com os três filhos “nas suas vidas”, confessa também que já pensou em fechar a porta do estabelecimento, mas o médico aconselhou-a a não o fazer. “Enquanto tiver saúde é por aqui que me vou entretendo“, admite a pederneirense, com um olho na televisão e outro no cliente que acaba de entrar no supermercado.   
 

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Futebol: Ginásio fica pelas meias-finais no Inatel

O Ginásio caiu nas meias-finais do taça nacional da Fundação Inatel. Os azuis soçobraram na deslocação ao reduto...

Colisão entre motociclo e veículo ligeiro provoca um morto na Nazaré

Um homem, de nacionalidade inglesa, morreu esta segunda-feira na Nazaré, na sequência de uma colisão entre um motociclo...

Uma “tasca” em alta rotação movida a gasolina e… caracol

Costuma dizer-se que quem anda à velocidade do caracol não chega propriamente rápido ao destino. Mas, por paradoxal...

Jovem detido por furto a residência em São Martinho do Porto

Um jovem de 25 anos foi detido, no dia 29 de junho, por furto em interior de residência...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!