Adega de Alcobaça investe na melhoria de condições

Quem passar por estes dias pela Adega de Alcobaça não passa sem olhar uma segunda vez para confirmar se é a mesma “casa”. Isto porque, a fachada da cooperativa está, desde a semana passada, “vestida” com as cores bordô e branco. Nada mais apropriado para servir de cartão de visita à nova loja, que a Direção da Adega prevê abrir, brevemente, no espaço do antigo escritório. Mas as novidades não ficam por aqui. A cooperativa já iniciou obras de remodelação, para melhorar o processo de vinificação, cujo investimento está avaliado em 80 mil euros. 

As “novas” instalações foram dadas a conhecer ao público na passada quinta-feira, numa ocasião que serviu de prova dos vinhos que foram premiados este ano – o Montes Branco 2014 com medalha de ouro no Concurso Mundial de Bruxelas e o Montes Colheita Selecionada com medalha de prata no Concurso Vinhos de Portugal 2016. Avelino Martins, presidente da Direção da Adega, elogiou os colaboradores que tiveram disponibilidade para pintar, aos sábados, a fachada. “Não houve mão de obra paga”, sublinhou o dirigente, sublinhando que a Direção da Adega “trabalha gratuitamente com o objetivo de elevar a qualidade dos nossos produtores e dos nossos vinhos”.

Por sua vez, Rodrigo Martins, enólogo da Adega, explicou que “esta colheita vai ser uma nova oportunidade para relançar esta casa”. Isto porque, a Direção da Adega, decidiu “com algum risco próprio, dar as condições necessárias aos técnicos para conseguir vinificar ainda melhor as uvas que chegam dos associados”. 
Recordando que a Adega de Alcobaça já produziu 13 milhões de litros de vinho e que hoje faz meio milhão, o enólogo diz-se satisfeito “se esse meio milhão for muito bem feito”. Para Rodrigo Martins “a fachada e a sala, que funcionará como futura loja de vinhos, é a prova do que é possível fazer sem grandes investimentos“. Tchin, tchin à equipa e aos vinhos da Adega.