Câmara valoriza trabalho da AMA em Alcobaça nas AEC

O presidente da Câmara de Alcobaça defende que o trabalho desenvolvido pela Academia de Música de Alcobaça (AMA) nas Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) no concelho “deve ser respeitado”.

Paulo Inácio aproveitou a sessão pública do executivo municipal para explicar que a autarquia, em consonância com os restantes municípios do Oeste, optou por entregar aos Agrupamentos de Escolas a responsabilidade de gerir as AEC, manifestando vontade de que os parceiros locais, como os clubes desportivos e a AMA, sejam enquadrados no projeto para o novo ano letivo.

“Tivemos sempre como pressuposto a relevância das entidades e a excelência da sua prestação de serviços, nomeadamente da Academia de Música”, frisou o autarca, que sossegou a socialista Eugénia Rodrigues quanto à possibilidade de professores de outros concelhos virem a ser contratados para lecionar as AEC em Alcobaça, embora salientando que a contratação de docentes “não é uma responsabilidade” da autarquia.

José Canha (PS) solicitou ao presidente da Câmara que fizesse um esforço no “sentido de encontrar solução” e de se encontrar “um modelo equilibrado” para que o trabalho no ensino das expressões artísticas desenvolvido pela AMA nos últimos oito anos ainda possa vir a ser prosseguido. Carlos Bonifácio (CDS/PP) e Rogério Raimundo (CDU) também manifestaram preocupação com a forma como o processo foi conduzido.

O ano letivo arranca na próxima sexta-feira e uma representante de duas dezenas de professores da AMA aproveitou a reunião de Câmara pública para alertar para o facto de esses docentes ainda não terem sido contratados pela entidade que vai gerir o processo.

Em Alcobaça, a Academia de Música de Alcobaça vai deixar de assegurar as AEC na área das expressões artísticas nas escolas do Agrupamento de Escolas de Cister e do Agrupamento de Escolas da Benedita, mantendo-se apenas com o Agrupamento de Escolas de São Martinho do Porto.