Uma galeria de arte no Areeiro e um óasis para artistas do mundo

The Holdout é uma galeria de arte sediada no Areeiro e é um projeto do artista norte-americano Hyland Mather. Mais que um local de exposição, é um espaço que permite a artistas internacionais conhecer a região e recolher inspiração para a criação de obras avaliadas em milhares de euros. 

A aventura da “fanático por arte” iniciou-se em abril de 2018, quando decidiu adquirir uma “antiga casa de campo com apenas metade do telhado, sem chão e com uma necessidade imensa de um toque de amor”. “Quando começámos, o local não estava ocupado há 20 anos. Não tinha água corrente nem energia, mas tinha uma coruja como único habitante. Passámos 13 meses a reabilitar o espaço”, sublinha o artista, que possui galerias de arte em Nova Iorque e Amesterdão. Após mais de um ano de trabalho e “muita dedicação”, nasceu o Holdout, que prima por estar “situada numa paisagem portuguesa verdadeiramente deslumbrante, de fazendas pitorescas e costas fantásticas”. “A galeria está aninhada num lugar no qual a era digital ainda não dominou”, sublinha.

O processo de criação é distinto e requer uma imersão na cultura da região antes de pegar nos pincéis e na tela. Os artistas contemporâneos são então convidados a permanecer na residência, entre uma a duas semanas, e a visitar os concelhos de Alcobaça e da Nazaré com o intuito de alcançar inspiração. Posteriormente, os criadores são desafiados a criar uma peça inspirada na sua experiência, que será incluída no portefólio, exposto na galeria. Scott Albrecht foi o primeiro artista a aceitar o desafio e em maio inaugurou o espaço com a exposição “Where the Edges Meet” [“Onde As Pontas Se Cruzam”]. Desde a abertura, o Holdout já acolheu exposições de Cody Hudson, Jeffrey Cheung, Lauren Napolitano e do “duo artístico” Rachael e Jordy Kerwick. As mostras conquistam visitantes da localidade, de todas as idades, que veem no projeto uma forma eficaz e inovadora de revitalizar a localidade. Além da vertente artística, o Holdout dedica-se também à produção agrícola e o espaço possui 180 árvores de fruto, que visam “estimular a produção de alimentos orgânicos de qualidade”.