Terça-feira, Agosto 16, 2022
Terça-feira, Agosto 16, 2022

Que regressem as festas

Data:

Partilhar artigo:

Creio que nunca, como este ano, senti tanta vontade de festejar nem nunca tinha percebido nos outros esta imensa vontade de conviver, dançar, agradecer, sorrir e partilhar a mesa, mesmo se a mesa estiver ocupada por desconhecidos.

Susana Santos

No solstício de Verão, comemoramos o regresso do bom tempo, o amadurecimento, a luz dos dias grandes. A tradição cristã, que enformou uma boa parte da nossa cultura ocidental, inscreveu, à volta desta data, a celebração de muitos dos seus Santos. À glória de Santo António, São João, São Pedro, São Bernardo e tantos outros consagrados da Igreja, arranjamos pretexto para iluminarmos as ruas, armarmos barracas de farturas e atearmos as brasas onde irão pingar a sardinha, o frango e as febras.

Creio que nunca, como este ano, senti tanta vontade de festejar nem nunca tinha percebido nos outros esta imensa vontade de conviver, dançar, agradecer, sorrir e partilhar a mesa, mesmo se a mesa estiver ocupada por desconhecidos.

Talvez a razão esteja relacionada com os últimos dois anos, durante os quais uma parte substancial da nossa humanidade nos foi amputada à força. Disseram-nos para nos isolarmos quando, na verdade, a nossa natureza é gregária, social e, espero eu, livre.

Ainda há dias, em São Martinho do Porto, foi comovente ver passar no meio do arraial montado junto à praia, a procissão de Santo António, acompanhada pela excepcional banda da Maiorga. Sem que fosse preciso nenhum sinal, da algazarra nasceu um silêncio respeitoso, para que se ouvisse apenas o compasso da banda que seguia o Santo. E nos olhares dos que permaneceram no arraial e que rapidamente voltaram à farra, creio ter vislumbrado um qualquer sinal de gratidão por este regresso da festa, das pessoas, da vida.

Esta semana é a vez de Porto de Mós celebrar o São Pedro, que se quer de arromba e daqui a umas semanas Alcobaça promete o melhor São Bernardo de sempre.

Vivam os santos e as oportunidades que sabemos criar para, em conjunto, festejar a passagem do tempo, que é onde se venera e percebe a vida!

AD Footer
spot_img

Artigos Relacionados

Capotamento de veículo provoca um ferido em Alfeizerão

O capotamento de um veículo ligeiro de passageiros, ocorrido na manhã desta terça-feira, na curva junto à Pousada...

Tradição de Santa Susana recriou jogo de hóquei com… burros

A tradição ainda é o que era, pelo menos em Turquel. As comemorações em honra de Santa Susana,...

Jovens participam em ações de sensibilização e limpeza de praias na Nazaré

Arranca, esta terça-feira, o projeto "A Praia é nossa. O responsável és tu!, da Câmara da Nazaré, integrado...

Alemão e grego dinamizam projeto com objetos de praia em Alcobaça

“Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se tranforma”. A célebre frase de Antoine Lavoisier pode...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!