Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023
Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023

O imperativo moral do combate à corrupção

Data:

Partilhar artigo:

Por opção democrática, vivemos num estado social, em que os mais desfavorecidos contam com a solidariedade dos mais prósperos.

Gaspar Vaz

Os últimos tempos têm sido conturbados, para os lados de São Bento. E, como a nossa memória é curta, tendemos a considerar que este presente é o mais grave de todos. Já nos esquecemos do BPN, dos Offshores do BCP, do BES e Banif, da “Operação Furacão”, do caso “Portucale”, do negócio dos submarinos (punido na Alemanha, mas “absolvido” entre nós…)?

Porém, a evocação destes casos não absolve nem legitima o que está a acontecer. O caso que envolveu Alexandra Reis e, de um modo geral, a TAP, é, entre todos, especialmente repugnante: Então, uma senhora que é contratada para fazer um ajustamento doloroso, não teve o sangue frio para se blindar com um contrato que previa uma indemnização três vezes superior aos míseros 500.000 euros que levou consigo?  E, por falar em TAP, o que faz, e a que preço, a seráfica Christine? Distribuir dividendos pelos administradores e substituir a frota de viaturas executivas?

Por opção democrática, vivemos num estado social, em que os mais desfavorecidos contam com a solidariedade dos mais prósperos. Estes tendem a considerar-se injustiçados por contribuir para quem “não faz nada na vida” e, infelizmente, não faltam casos que parecem justificar esta teoria. No entanto, todos conhecemos casos de pessoas empreendedoras e talentosas que têm filhos com handicaps gravíssimos. Todos conhecemos histórias de famílias que foram ricas e que, por diversas peripécias, culpáveis ou não, caíram na miséria. Pelo contrário, há três gerações, uma parte da minha família era muito pobre. Hoje, por sorte e por mérito, tudo é bem diferente. Porém, daqui a três gerações, como estarão os meus descendentes? Mesmo não estando presente, eu gostava de partir, sabendo que, aconteça o que acontecer, a sociedade há de proporcionar-lhes uma existência digna.

Região de Cister - Assine já!

É por isso que os casos de corrupção são especialmente repugnantes. Mesmo que sejam “legais”, configuram um roubo a um futuro mais solidário.

PS – O “Joaquim do Cantinho” partiu sem aviso. Não se faz, Joaquim, até porque, mau grado o teu “mau feitio”, que escondia um grandíssimo coração, toda a gente gostava de ti. Embora não gostasse de pato, as quartas-feiras, a pedido de várias famílias, eram obrigatórias – para além de quase todos os outros dias da semana. Fazes-me / nos falta!

AD Footer

Artigos Relacionados

Andar com o escritório numa mão

Fábio Filipe tinha duas opções: passar das funções de club manager para área manager de um clube de...

‘Dragão’ Stephen Eustáquio marca e conquista Taça da Liga de futebol

Stephen Eustáquio teve papel bastante importante ao apontar o primeiro golo na vitória que deu ao FC Porto...

Oonify abre espaço dedicado à formação na Nazaré

A Oonify abriu, recentemente, na Nazaré, um novo espaço de formação, a que chamou de "Oonify Space". O novo...

Sons Com(n)Sentidos ouvem-se agora nos cavaquinhos e percussão da Cercilei

Em cima do palco, os homens apresentam-se de suspensórios, as mulheres levam uma bandolete na cabeça. Todos vestem...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!