Ao sabor da maré

A janela e o limoeiro

No outro dia, dei por mim completamente estanque, junto à janela da cozinha; olhando fixamente o vaso preto onde orgulhosamente se ergue um jovem limoeiro. Reparei como este se inclinava no sentido do vidro largo e amplo à sua frente.

“Segue a direção da luz” – pensei! E pensei também que aquela pequena e vigorosa árvore, outrora, fora apenas um simples caroço de limão. Lembrei-me rapidamente do processo. De como o caroço se tornou uma semente plantada num vaso à janela, de como foi regada e acarinhada; de como demorou até brotar uma pequena folha verde; e à medida que me lembrava, recordei-me que por momentos chegara a pensar que nada fosse acontecer, porém, de imediato, contrapondo-se a esta memória, outra surgiu ligeira, relembrando-me que após a pequena folha outras vieram. Folhas e ramos não pararam de brotar. Percebi como a pequena folha e o curto ramo foram nutrindo a sua essência, bebendo da terra os cuidados da mão amiga que plantara a semente; buscando diariamente a luz que incidia no seu vaso preto, através do vidro largo e amplo da janela da cozinha, para potenciar a sua jornada de crescimento. Percebi também que a pequena folha e o curto ramo irão desenvolver o seu potencial máximo dando frutos.

É assim que também nós devemos potenciar a nossa jornada e crescimento. Termos a capacidade de “sermos janelas” (ou solicitar auxílio a alguém habilitado, como um Health Coach) para o “nosso mundo interior”, levando-lhe claridade. Luz. Ampliando a nossa visão. Mostrando o caminho para o desenvolvimento pessoal. Deixem a “luz” entrar e cresçam fortes como “troncos de limoeiro”. Até à próxima maré.