Sexta-feira, Abril 19, 2024
Sexta-feira, Abril 19, 2024

A banalização do mal

Data:

Partilhar artigo:

Esta expressão é de Hanna Arendt (1906-1975). Arendt foi a correspondente da “The New Yorker” durante o julgamento de Eichmann. Este destacado militar alemão durante o regime nazi, foi raptado pela Mossad, na Argentina e transferido para Israel, onde foi julgado e condenado à morte por enforcamento – sentença executada em 1 de junho de 1962, na prisão de Ramla. Em 1963, Arendt publicou as suas reflexões sobre este evento no livro “Eichmann em Jerusalém – um relato sobre a banalidade do mal”. A ideia mais original, e que concitou protestos entre os judeus, era a de que Eichmann não era um monstro, mas um homem “normal”, facto certificado por diversos especialistas. Ele tinha entrado para o partido nazi porque via nessa adesão a possibilidade de uma boa carreira. E, no seio desse partido, fez tudo o que era normal, “banal”: ser o mais fiel colaborador possível, progredir na carreira; enfim, ser um competente burocrata. Para mim, contudo, a ideia mais importante desta obra é a de que essa “banalização do mal” só é possível pela destruição da individualidade, pelo isolamento do indivíduo. Desse modo, o homem, privado da sua individualidade, não ouve o seu “demónio”. Nessa solidão funcional, Eichmann, candidato a uma boa carreira, ao perfil de um bom militar e cidadão, apenas ouviu soundbytes, palavras de ordem, incentivos à ação.

Hoje, a banalização do mal ganhou novas dimensões. Há uma guerra na Europa que significa, para já, centenas de milhares de mortos, entre militares e civis – para além da destruição de símbolos e de território. Olhar para cidades como Bakhmut ou Avdiivka é uma dor para quem achava que a guerra não voltaria à Europa. Porém, olhar para a Faixa de Gaza é ainda pior. Sim, Lula, Guterres, Borrell e outros têm razão: o Israel de Natanyahu está a comportar-se como um estado que, tal como o regime nazi, banaliza o mal. Assim, ao ver a Faixa de Gaza destruída, esventrada, com gente que, acossada pelo terror, já nem sequer protesta, só me apeteceu ouvir o “Quarteto para o fim do tempo”, de Oivier Messiaen. Fiquem com a música. Tentem lutar contra a aniquilação daquele tempo em que nos podemos encontrar connosco.

AD Footer

Artigos Relacionados

Dez estabelecimentos da região distinguidos no Guia “Boa Cama Boa Mesa” 2024

Cinco alojamentos e cinco restaurantes foram reconhecidos no Guia “Boa Cama Boa Mesa” 2024, publicado na passada sexta-feira...

Cartoon 18-04-2024

A incrível vida (depois da morte) de D. Inês de Castro e a sua pomba Pimba

O que é a liberdade para si?

Vejo muita gente a viver “presa” no que acredita ser uma vida livre. Já se perguntou o que...

“Projeto Água do Oeste” apresentado em Alcobaça

“Projeto Água do Oeste”. É este o nome do workshop que terá a primeira sessão já na próxima...

Aceda ao conteúdo premium do Região de Cister!